Publicado em Deixe um comentário

Dei pra minha amiga travesti

Envie seu conto para: mauriciott22@gmail.com

Tenho uma amiga trans , e sempre que dá vontade da gente se pegar marcamos alguma coisa !

Dessa vez estávamos um tempo sem nos ver , nos encontramos e marcamos um dia !

Logo as 8 da manhã estava na casa dela , começamos a conversar , aí fomos nos beijando , logo ela tirou minha roupa e eu a dela , ela estava com um vestido q abre pela frente fui mamando os peitos delas enquanto isso meu pau já estava estralando !

Aí ela passou a mão e já caiu de boca , logo me empurrou na cama dela e sem falar nada começou a lamber meu cuzinho , no começo relutei um pouco , aí ela me disse , calma relaxa , hj tô com vontade de lamber seu cuzinho! Eu nunca tinha ficado tão excitado e ao mesmo tempo sem reação!

Pois nunca tinha deixado ela fazer isso, nas outras vezes sempre fui ativo !

De repente o pau dela foi ficando duro na minha cara enquanto eu lambia tbm o cuzinho dela , de repente ela deitou na cama eu fiquei em cima , ela puxou minha bunda p cara dela começou a me lamber demais.

E junto com a língua as vezes enviava a ponta do dedo no meu cu , de repente pediu p eu mamar ela , não resisti comecei a mamar o pau dela , mas foi a primeira vez q mamei ele tão duro , cheguei a engasgar algumas vezes , e ela ainda me lambendo , eu já estava quase pedindo p ela me comer qdo ela gritou que ia gozar .levei porra na cara

Aí me jogou na cama deitado novamente e aí ela alternou entre meu cu e meu pau , logo fui eu quem gozei , pqp mas gozei muito , e nem acredito que fiquei com vontade de dar p ela . Mas não foi dessa fez .

Essa história é real , e aconteceu a alguns dias!

Publicado em Deixe um comentário

Linda, gostosa e… PINTUDA !

Quer ver seu conto publicado aqui? Mande para mauriciott22@gmail.com

 

* As imagens são ilustrativas

Essa história é verídica, e aconteceu comigo a 5 anos, quando eu tinha apenas 18 anos de idade. Caso essa história seja ofensiva ou perturbadora para algum usuário, peço desculpas e garanto que a intenção não era essa.
Eu costumava ir com meu pais, todos os fins de semana, à um clube de campo, e sempre me divertia na piscina, na sauna ou no campo. Naquele dia, que me recordo ser um Sábado de Outubro, meus pais resolveram não ir, e eu fui, pois estava muito calor.

Ao chegar, entrei e fui direto ao vestiário, me ajeitar para ir à piscina. a piscina estava muito cheia, e por isso, me cansei de ficar lá, e saí, indo então até o campo, ara tomar um Sol e relaxar.

No campo, depois de uns minutos tomando Sol, escutei um barulho de alguém se virando em uma cadeira, e fui ver quem era. Era uma gostosa, deitada de costas em uma espreguiçadeira,com uma perna levantada, balançando os pés, o que me deixou de pau duro instantaneamente.

Ela era loira, pele bem clarinha, unhas dos pés de das mãos pintadas de branco, corpo com belas curvas e bem cuidado. tinha uma correntinha amarrada em torno do calcanhar do pé da perna que estava levantada, vestia um biquíni bem curto e apertado, cor-de-rosa, muito bonito. Aquele visão era incrível, mas podia melhorar.
Ela se virou, me dizendo oi, e rindo da minhaa excitação. Vi seus peitos, medida perfeita, nem muito grandes nem muito pequenos, redondos e bem definidos. Tinha um olho verdinho, lábios pequenos, rosto oval e dentes retos.
Era bastante safada, pois, perguntou de cara se eu era virgem, e eu, ne pensei nisso, apenas queria perder meu cabaço, como todo garoto de 18 anos. Disse que sim, e ela riu, tirando sarro, só que disse que ia tirar meu cabaço por completo.


Fomos ao Hotel que era grudado com o Clube de Campo, e antes de chegar lá, eu já ia imaginando como seria o meu “Grande momento”, mas, ia ser muito diferente. Dentro do quarto, ela disse:”olhe, vou chupar seu pau, só que, so vou pra você perder o cabaço dele também”. Na hora não entendi nada, mas, baixei a calça, deitei na cama e deixei ela chupar.

Foi magnífico, gozei legal, mas o melhor ainda estava por vir. ela então guspiu meu gozo no vaso sanitário, e voltou. Ja queria comer o cú dela, mas ela disse que isso não aconteceria. Pensei então que tínhamos acabado, mas, ela deitou na cama, e me mandou beijar, lamber e chupar seus pés. Adorei, eram belos pés, que me davam tesão.
Depois de um tempo assim, ela mandou eu ir subindo, até que eu cheguei na cintura, e ela baixou a calcinha, revelando seu pênis, que tinha 17 centímetros de comprimento. Ela me mandou chupar, e foi o que eu fiz, até ela gozar na minha boca e me obrigar a engolir tudinho.

aí, ela me jogou na cama de costas para ela, me deixou de quatro e foi lambendo meu rabinho. Depois, bateu seu pau na minha bunda, e então foi fundo em mim. Começou entrando devagarinho, entrou inteiro, e de repente ia entrando e saindo, e entrando e saindo e quando me dei conta, meu cabaço do cu já era, e ela gozou no meu cuzinho, que ja estava cheio de dor.

Ela sentou na cama, e me fez sentar em cima do pau dela, e me comeu de novo, até gozar. Depois ficou atrás de mim de ladinho, e me fodeu outra vez, até o clímax. Após isso,achei que seria bom tocar uma punheta pra ela, e fiz isso. ela adorou, mas, me olhava com desprezo.

A gente voltou para o clube, e eu voltei pra casa, não mais virgem. Foi muito melhor do que seria se ela fosse uma mulher, sei porque já tive experiências com várias mulheres, e nennhuma delas me fez gozar igual July, o nome da boneca que me fodeu.

Publicado em Deixe um comentário

PRIMEIRA VEZ COM UM TRAVESTI

Quer ver seu conto publicado aqui? Mande para mauriciott22@gmail.com

 

* As imagens são ilustrativas

Eu me chamo Marcos, sou casado há seis anos. Sou moreno, alto e bonito. Há pouco menos de um mês tive uma experiência sexual muito excitante. Minha esposa viajou a trabalho. Há muito tempo eu vinha tendo desejo de transar com um travesti, então eu vinha acessando sites, assistindo vídeos, vendo fotos, lendo contos e me masturbando com um vibrador. Entretanto, minha vontade não era só de trepar com um travesti, mas sim de ser um travesti.
Eu tinha o fetiche de me transvestir, até que um belo dia não agüentei mais, criei coragem e fui às ruas. Era uma noite de quarta-feira quando resolvi dar vazão a minha fantasia. Estava sozinho em casa, então como que iniciando um ritual, depilei meu corpo todo, depilei meu rosto, meu peito, meu púbis, meu saco e minha bundinha, fiquei todo lisinho. Em seguida sai de casa e liguei para um travesti que eu havia visto e escolhido em um site de relacionamento, acertei o programa e fui para o motel.
Quando lá cheguei, entrei para o quarto e continuando o ritual, passei a me maquiar, passei um belo batom, sombra e pó. Em seguida, vesti um sutiã preto meia-taça, uma meia-calça preta de telinha e uma calcinha preta atoladinha. Por fim, coloquei uma peruca preta. Quando me vi no espelho mal pude acreditar, estava uma verdadeira putinha. De repente batem à porta. Meu coração disparou. Ela era linda, uma bela mulata, muito gostosa e muito feminina. Mal conversamos e eu já fui logo tirando sua roupa. Quando vi aquela bela mulher dotada daquela pica gostosa, quase gozei. Fiquei um pouco preocupado, pois seu pênis era muito grande e muito grosso. Relaxei e comecei a punhetá-la, que cassete gostoso, encheu minha mão. Quanto mais eu punhetava, mais eu queria dar o cú. Ela não ficou pra trás, começou a me punhetar e atolou o dedo no meu cuzinho.
Não me contive e comecei a gemer bem alto. Então ela passou a chupar minhas bolas, me masturbar e acariciar minha próstata com seu dedinho. Que tesão! Eu estava ansioso por aquela pica e então me postei de quatro, empinado bem aquela bundinha depiladinha. A mulata colocou a camisinha, passou o gel e começou a empurrar sua pica contra meu cuzinho. Soltei um gemido bem forte, mais de dor do que de tesão. Então a pistola entrou todinha. Eu olhava no espelho e não creditava que aquilo estava acontecendo comigo.
Eu ali vestido de puta, de quatro, dando o cú. Aí ela começou a bombar bem forte e eu gritava: Mete, mete bem forte, fode o meu cuzinho gostoso! Meu pau latejava e só de lembrar, ele volta a latejar! Minhas pernas não tinham força pra me sustentar de quatro, então deitei e arreganhei bem as pernas. Ela deitou em cima de mim e começou a estocar. Que delícia! Que tesão! Olhei pro espelho do teto e vi aquele baita travesti comendo meu cuzinho apertadinho, que maravilha. Ela passou a me estocar e me masturbar, aí ei vi estrelas. Pedi para que parasse, pois eu já estava quase gozando. Em seguida ela voltou a me punhetar.
Eu sentia aquela pica dentro do meu corpo, empurrando tudo lá dentro. Eu sentia o pênis do travesti se esfregando em minha próstata e aquilo era muito gostoso. Ela permaneceu mais alguns minutos bombando, estocando e punhetando e eu explodi em um gozo maravilhoso, como nunca antes havia experimentado. Esporrei forte na mão dela. Que delícia. Paguei, ela foi embora e eu fiquei ali deitado, com o cuzinho latejando e todo molhado de porra. Fui uma experiência única, estou só esperando a oportunidade para repetir…